quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Resenha: Morte na Flip


Morte na Flip 

TÍTULO: MORTE NA FLIP
AUTOR: PAULO LEVY
PÁGINAS: 272
EDITORA: BÚSSOLA
NOTA:                

Embalado por sua amizade colorida com Dulce Neves, por doses de sua cachaça favorita, por seu empenho como pai à distância e por seu mingau de farinha láctea, o delegado Joaquim Dornelas mais uma vez usa de aguçada intuição e incrível faro policial para desvendar mais um complicado crime.



Nessa nova aventura, Dornelas, o delegado de Palmyra, enquanto passeava pela Flip (Festa Literária Internacional de Palmyra, estranha um barco indo em direção ao mar numa noite ondes as águas estavam bravas e uma chuva vinha por aí. Desconfiado, ele liga para seu subordinado, adorei isso, e pede para o mesmo alertar os outros. Na madrugada, Solano, o subordinado, liga para o delegado e conta que algo aconteceu, um assassinato e dois corpos foram identificados, um deles identificado por Dornelas após sua chegada na cena do crime.
Vários suspeitos se revelam pouco a pouco. Novamente, o tráfico de drogas é citado no livro, assim como em Réquiem para um Assassino, que também narrava um assassinato, que foi desvendado também por Dornelas (Link da resenha aqui).

Achei o livro muito bom, apesar de não ser tão bom quando o Réquiem para um Assassino. Mais uma vez eu não consegui desvendar o assassino, apesar de ter suspeitado dele e logo depois descarta-lo. Recomendo para todos os leitores que gostam desse tipo de livro. 

Dei quatro estrelinhas no Skoob, ou carinhas felizes, como aqui no blog. 

Até mais!

4 comentários:

  1. Eu já li esse livro, ele é muito bom *u*

    http://dienyladyy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom mesmo, me surpreendi bastante.
      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  2. Eu tbm gostei muito do livro e como sempre não soube quem era o assassino, suspeitei (como suspeito de todo mundo) sahsauhsa'. E tbm prefiro o réquiem...

    sonholiterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, nunca consigo saber quem matou.
      Obrigado pelo comentário.
      Abraços!

      Excluir